PESQUISAR

Novidade

Tempo de dádivas

REF.:0010080001252

Em Stock
48H
Portes GRÁTIS a partir de 15€

23,90 IVA inc.

Quantidade

Ficha Técnica

Título: Tempo de dádivas
Autor: Patrick Leigh Fermor
Ano de edição ou reimpressão: 2020
Editora: Tinta da China
Idioma: Português
Dimensões: 146 x 201 x 29 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 432
Peso: 662g
ISBN: 9789896715373

Sinopse

Como numa espécie de peregrinação, e com apenas 18 anos, Patrick Leigh Fermor decidiu partir a pé de Roterdão até Constantinopla, levando consigo apenas um bastão de caminhada, um bloco de notas, uma mochila e poupanças equivalentes a uma libra por cada semana de viagem.

Estávamos em 1933 – o destino só foi alcançado em 1935 – e grande parte da Europa despertava ainda de uma espécie de Idade Média tardia, enquanto caminhava cegamente (Hitler já tinha chegado ao poder) para a Segunda Guerra Mundial, que mudaria o continente para sempre.

Décadas depois, já com 60 anos, Fermor voltou às memórias desta viagem e transformou-a num clássico que se constituiu como testemunho sem igual de um tempo perdido. Este livro corresponde ao primeiro volume do relato do autor, o mais emblemático, e chega até à Hungria.

No segundo tomo, Between the Woods and the Water, parte daí e vai até às Portas de Ferro no rio Danúbio. Fermor já não foi a tempo de concluir em vida a terceira e última parte deste registo. Com introdução de Jan Morris.

Sobre o autor

Patrick Leigh Fermor nasceu em 1915, em Londres. aos dezoito anos decidiu ir a pé até Constantinopla, a partir de uma pequena cidade da Holanda. Foi essa viagem que deu origem ao livro Tempo de Dádivas (1977), que o consagrou como um dos grandes escritores de viagens do século XX.

Escreveu ainda, entre outros, The Traveller’s Tree (1950), Tempo de Silêncio (1957), Mani (1958), Roumeli (1966) e Between the Woods and the Water (1986). Em 1939, Fermor alistou-se no exército irlandês e foi combater na Grécia, vivendo dois anos disfarçado de pastor nas montanhas de Creta, onde organizava a resistência à ocupação germânica, acabando por receber duas importantes condecorações militares britânicas.

Os seus livros foram galardoados com vários prémios literários: Heinemann Foundation Prize for Literature; WH Smith Literary award; Lifetime achievement award (British Guild of travel Writers); Thomas Cook travel award; Duff Cooper Memorial Prize. Foi ainda distinguido como Cavaleiro da Ordem das artes e das Letras (França) e Comandante da Ordem da Fénix (Grécia).

Em 2014, foi criada a Patrick Leigh Fermor Society. A partir de 1968, viveu entre a Grécia e Worcestershire, em Inglaterra, onde morreu em 2011, aos 96 anos.

Também pode gostar…

Back to Top