PESQUISAR

A condição humana

REF.:0010070000111

Em Stock
48H

21,00 IVA inc.

Quantidade

Ficha Técnica

Título: A condição humana
Autor: Hannah Arendt
Ano de edição ou reimpressão: 2001
Editora: Relógio D’Água
Idioma: Português
Dimensões: 139 x 210 x 23 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 412
Peso: 538g
ISBN: 9789727086375

Sinopse

A filósofa judia alemã Hannah Arendt, que privou com Heidegger, Jaspers ou Walter Benjamin, autora de alguns dos melhores ensaios filosóficos e políticos do séc. XX, publicou em 1958 “A Condição Humana”, agora traduzida em português.

É um ensaio sobre a acção do homem enquanto ser livre e plural. Hannah Arendt pega na expressão latina usada por Santo Agostinho, “vita activa”, decompõe-na em três actividades: o labor, a que corresponde o “animal laborans” – o homem e as suas necessidades biológicas; o trabalho, a que corresponde o “homo faber” – que domina a natureza através do emprego da técnica e acção – a que corresponde o “homo sapiens”, o homem no exercício pleno da cidadania num espaço de pluralismo.

É aqui que o homem ganha a sua liberdade, ao agir. « “A Condição Humana”, livro central do seu pensamento, afirma-se, nos primeiros capítulos, como uma crítica da modernidade, a partir da reflexão sobre ‘o que andamos a fazer’, e da discussão sistemática ‘do labor, do trabalho e da acção’, actividades que constituem traços essenciais da perenidade da condição humana.

Arendt aponta para a recuperação de um mundo comum, a ágora, como espaço público do debate e do confronto entre iguais, pela reabilitação da política, a única resistência possível contra a alienação do mundo moderno, e, por inerência, do discurso, ‘pois é o discurso que faz do homem um ser político’.

António Brás, Público, “Mil Folhas”

Sobre o autor

Hannah Arendt nasceu em Hanôver, na Alemanha, em 1906. Estudou nas Universidades de Marburgo e Friburgo e doutorou-se em Filosofia na Universidade de Heidelberg, onde foi aluna de Karl Jaspers. Mudou-se para França em 1933.

Em 1941, deslocou- -se para os Estados Unidos da América, tornando-se cidadã norte-americana dez anos mais tarde.Foi professora convidada de várias universidades, incluindo Califórnia, Princeton, Columbia e Chicago, e professora catedrática na Graduate Faculty of the New School for Social Research.

Recebeu a Guggen- heim Fellowship, em 1952, e a Arts and Letters Grant do National Institute of Arts and Letters, em 1954.Hannah Arendt morreu em dezembro de 1975.

Também pode gostar…

Back to Top