PESQUISAR

Novidade

Colóquio Interior

REF.:0010030005989

Em Stock
48H

9,00 IVA inc.

Quantidade

Ficha Técnica

Título: Colóquio Interior
Autor: Irmã Maria da Trindade
Ano de edição ou reimpressão: 2020
Editora: Editorial Franciscana
Idioma: Português
Dimensões: 148 x 210 x 22 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 287
Peso: 374g
ISBN: 9789727843121

Sinopse

Quem possuir um certo conhecimento do Evangelho e da grande tradição espiritual da Igreja e se aproximar, sem preconceitos, dos Escritos de Luísa Jaques, será de imediato confrontado com a importância espiritual e com a inegável autenticidade do seu conteúdo… O seu tema fundamental é a escuta interior da voz do Senhor. Esta escuta é o acto central da contemplação cristã e bíblica, em oposição a qualquer outra, quer seja neoplatónica ou asiática.

Para Jesus, a palavra bíblica da qual “depende toda a Lei e os Profetas” é o “Shema Israel”, que significa “Escuta, Israel”. (…) É Cristo, mediador entre nós e o Pai, que infunde o Espírito Santo nas almas e que vive em nós como palavra operante da Sabedoria de Deus; é Ele que quer e deve ser escutado. Para se tornar capaz disso o cristão deve fazer silêncio em si mesmo. Assim Luísa Jaques o ouviu pedir diversas vezes…

Como ensina a tradição autêntica dos Padres da Igreja, o silêncio não se realizará a não ser com o serenar do rumor das paixões, das tendências e ambições desordenadas que querem o contrário daquilo que Deus quer. Deus fala docemente; é muito fácil encobrir a sua voz…

E, à Luísa, que se tornou católica, lhe será indicado sem cessar que Deus se encontra, quer no próximo, quer na oração ou na Eucaristia e que pode ser escutado e compreendido através dos desejos e das exigências dos nossos irmãos.

Hans Urs von Balthasar

Sobre o autor

A irmã Maria da Trindade, no século Luísa Jacques, suíça de nacionalidade, nasceu em 1901 em Pretória, Transval, de pais protestantes. A sua mãe morreu ao dá-la à luz. Seu pai, missionário protestante, levou-a com duas irmãs pequenas para a Suiça, onde foram educadas por uma tia, que a Irmã chama de “sua pequena mamã”.

Converteu-se ao catolicismo, sendo batizada em 18 de março de 1929. Os anos que se seguiram à sua conversão, foram de intensa busca de um caminho de consagração na vida religiosa.

Back to Top